Para enfrentar pandemia, Sindicato exige paralisação na Embraer em Portugal e EUA

O Sindicato enviou uma carta ao presidente da Embraer, Francisco Gomes Neto, exigindo a paralisação imediata das atividades nas plantas localizadas nos Estados Unidos e Portugal. A reivindicação, apresentada nesta sexta-feira (3), tem como objetivo preservar a vida dos trabalhadores frente ao avanço da pandemia do coronavírus. 

No documento, o Sindicato defende que as unidades de Fort Lauderdale e Melbourne (EUA), além de Ogma e Évora (Portugal), adotem as mesmas medidas praticadas pela Embraer no Brasil. Aqui, os trabalhadores estão em férias coletivas ou em regime de home office, como forma de reduzir os riscos de contaminação.

“Os Estados Unidos e Portugal apresentam altos índices de contágio da doença e nos causa estranheza que a medida adotada nas plantas do Brasil não tenha sido adotada naqueles países”, diz um trecho da carta, que também pede a repatriação de todos os brasileiros que atuam no exterior. 

Assim como no Brasil, o Sindicato defende que os salários, direitos e empregos dos trabalhadores da Embraer nos Estados Unidos e Portugal sejam respeitados durante o período de afastamento. A Embraer possui cerca de 2 mil trabalhadores nos dois países.


Confira abaixo a carta na íntegra:

São José dos Campos, 03 de abril de 2020

Ao Ilustríssimo Sr. Presidente da Embraer S.A. Francisco Gomes Neto

SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS METALÚRGICAS, MECÂNICAS E DE MATERIAL ELÉTRICO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS E REGIÃO, entidade sindical de primeiro grau, com sede em São José dos Campos-SP, situada na Rua Maurício Diamante, n.º 65, vem, por seu diretor subscrito, requerer de Vossa Senhoria em caráter de urgência, solicitar a paralisação imediata das plantas da Embraer/Yaborã nos Estados Unidos e Portugal.

A empresa e sindicatos no Brasil estão em diálogo acerca da situação de pandemia do coronavirus a afim de evitar a expansão do vírus e garantir a saúde e a vida dos trabalhadores. As plantas no país tiveram as sua atividades suspensas por recomendação do sindicato afim de evitar a massificação do contágio do vírus a partir das instalações fabris. A partir de denuncias de trabalhadores norte americanos e portugueses tomamos ciência que as plantas da Embraer/Yaborã nos Estados Unidos e Portugal estão em pleno funcionamento em meio a pandemia do coronavirus.

Os Estados Unidos e Portugal apresentam altos índices de contágio da doença e nos causa estranheza que a medida adotada nas plantas do Brasil também não tenham sido adotadas nestes países. Portanto, por meio desta reivindicamos a imediata paralisação das plantas da empresa localizadas em Fort Lauderdale e Melbourne, ambas no estado da Flórida, Estados Unidos e das plantas de Ogma e Évora em Portugal.

Os trabalhadores destas plantas devem ter garantidos os seus salários, direitos e empregos. Também reivindicamos a repatriação dos trabalhadores brasileiros que estão em missão nestas plantas. Considerando a relevância do apelo social a saúde e a vida dos trabalhadores para a organização da empresa e certo da preocupação de Vossa Senhoria para com as demandas trazidas pelo sindicato, subscrevo-me.

Atenciosamente,

Herbert Claros,
diretor do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região

Fachada da Embraer em Évora