Venda da Embraer é crime contra o país

A venda da Embraer para a Boeing está prestes a se concretizar. A finalização será votada na assembleia de acionistas, na terça-feira (26).

Se a entrega for aprovada, o país será vítima de um crime que provocará a implosão de 50 anos de conhecimento e de toda indústria aeronáutica brasileira.

A diretoria da Embraer tem um único argumento para justificar o negócio: ou a empresa é vendida ou não terá condições de concorrer no mercado. Os fatos mostram que isto é mentira.

Líderança

A Embraer é líder mundial no segmento de aeronaves comerciais com menos de 150 assentos. Não existe outra empresa no mundo que ameace essa liderança.

Por ironia, o único fator que pode colocar em risco sua liderança é a própria venda para a Boeing. Essa transação representará o desmonte da Embraer e a perda de sua principal unidade de negócios, a aviação comercial.

O faturamento anual da empresa brasileira passará de US$ 6 bilhões para menos de US$ 3 bilhões. A venda, portanto, será o atalho mais curto para o enfraquecimento de quem hoje é líder.

A única que ganhará com a operação será a própria Boeing. Já os brasileiros perderão um valioso patrimônio, a soberania nacional e milhares de postos de trabalho. Não há dúvidas, portanto, de que trata-se de um crime lesa-pátria.