COMUNICADO SINDICAL

Campanha salarial

A Fiesp continua enrolando a negociação da campanha salarial. Na ultima reunião de negociação que ocorreu no dia 29 a patronal não apresentou proposta de reajuste. Mediante isso os Sindicatos de Araraquara, Botucatu e São Jose dos Campos apresentaram contra proposta de *aumento real de salário* e *abono de 3mil reais*. A Fiesp se comprometeu a dar uma resposta até o dia de hoje (06 de dezembro).

No entanto no contato telefônico que ocorreu hoje a Fiesp pediu mais tempo para dar a resposta. Para os Sindicatos isso é enrolação e um desrespeito aos trabalhadores que estão aguardando reajuste de salario desde o mês de setembro.

Embraer não respeita a qualificação e a dedicação dos funcionários e todo ano é essa enrolação. Chega de enrolação!

Os sindicatos chamam os trabalhadores a mobilização para garantir nosso aumento de salário e nosso emprego. O aviso de greve já foi votado e notificado na empresa. Vamos a luta por nossos direitos e por estabilidade no emprego.

Compensação de horas 2019

Nesta semana ocorreram assembleias em todos os turnos das unidades Faria Lima, Eugênio de Melo e Eleb para votação da compensação de horas de 2019. No entanto agora a tarde a empresa soltou comunicado dizendo que não irá respeitar a decisão aprovada nas assembleias.

A empresa faz isso porque não respeita o direito democrático dos trabalhadores de decidirem sobre seus direitos. A proposta da Embraer é tirar o horário do segundo café de 10 minutos e forçando os trabalhadores a compensarem 17 minutos a mais na jornada.

A proposta apresentada ao Rh da Embraer e aprovada por unanimidade nas assembleias foi de manter as duas paradas de café de 10 minutos e ao trocar um dos cafés pela compensação só iriamos compensar 7 minutos.

A Embraer está desrespeitando a lei, primeiro porque questões relacionadas a jornada de trabalho não podem ser decididas pela empresa sem a assinatura do sindicato. O segundo desrespeito a lei é o assedio moral coletivo. No próprio comunicado interno da empresa, o RH da Embraer pede apoio dos gestores para forçarem os funcionários a assinarem o holerite da compensação.

Mediantes estes fatos o sindicato entrará com processo coletivo contra a Embraer exigindo a garantia das duas paradas de café e uma condenação a empresa por assedio moral coletivo.