Trabalhadores da Embraer rejeitam proposta e aprovam estado de greve

Os trabalhadores da Embraer Unidade Faria Lima, em São José dos Campos, rejeitaram a proposta de reajuste salarial apresentada em negociação com o grupo aeronáutico da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo).

Em assembleias realizadas com o primeiro turno e administrativo na manhã desta quinta-feira (9), os metalúrgicos rejeitaram o índice de 1,73%, equivalente somente à inflação de setembro de 2016 a agosto de 2017.

Em busca de uma proposta melhor, os trabalhadores aprovaram estado de greve. Uma paralisação pode ser deflagrada nos próximos dias se a direção da companhia se mantiver intransigente.

Nas assembleias, também foi reivindicado que as negociações agora aconteçam diretamente entre Sindicato e Embraer.

“Desde 2014, os trabalhadores da Embraer não têm aumento real de salário. Além disso, este ano receberam a pior PLR desde 2009. O Sindicato e os trabalhadores sabem que a empresa tem plenas condições financeiras de melhorar a proposta apresentada pela Fiesp”, afirma o vice-presidente do Sindicato, Herbert Claros.

No dia 31 de outubro, a Embraer pagou a PLR referente ao primeiro semestre de 2017, no valor de R$ 666 fixos e 7,32% sobre o salário.

Anúncios