Fora Temer, os corruptos, já, e abaixo as reformas. Vamos ocupar Brasília e preparar a Greve Geral de 48 horas

A Secretaria Executiva Nacional da CSP-Conlutas publica nota oficial desta Central sobre a crise política instalada no Brasil

A delação da JBS anunciada na noite desta quarta-feira (17), que comprova o envolvimento do presidente Michel Temer (PMDB) na compra do silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB), preso em outubro de 2016, derruba a cortina de fumaça que escondia o grau de envolvimento deste governo com a corrupção.

Essa delação comprova que as reformas e os projetos propostos pelo governo Temer estavam vinculados a um grande esquema que atendia somente a interesses próprios. E as reformas trabalhista e da Previdência são ferramentas para a permanência desse grande esquema em que os beneficiados são banqueiros, grandes empresas e agronegócio, tudo à base da corrupção. É toma lá, dá cá, como já acontecia nos governos anteriores.

Diante dos fatos expostos, a CSP-Conlutas reafirma que nem Michel Temer nem os políticos do Congresso Nacional têm moral para aprovar ou mesmo pautar projetos que retirem direitos e rebaixem conquistas dos trabalhadores. Essas conquistas são fruto de décadas de luta pela classe trabalhadora, como por exemplo, a aposentadoria e os direitos contidos na CLT (Consolidação das Leis de Trabalho). Tão pouco vamos aceitar que este congresso corrupto tente impor qualquer alternativa que implique na continuidade do atual regime.

No atual cenário é totalmente insustentável a manutenção de Michel Temer no governo. Se ele não renunciou, cairá sob as mãos do povo.  A CSP-Conlutas convoca todos os trabalhadores do Brasil a ocuparem as ruas desde hoje e a fortalecerem ainda mais a marcha a Brasília. Cem mil serão poucos na capital federal no próximo dia 24 de maio. Organizar e fortalecer os comitês de base nos locais de trabalho, por bairros, escolas universidades, entre categorias, movimentos populares e juventude.

Basta! Vamos às ruas por todo o país desde já. Vamos ocupar Brasília e preparar a Greve Geral de 48 horas.

A força da Greve Geral de 28 de abril e os dias nacionais de luta em 8 e 15 de março mostraram que os trabalhadores e o povo têm  condições de parar este pais , para colocar abaixo este governo e enterrar as suas reformas. É necessário que as centrais sindicais convoquem imediatamente uma nova Greve Geral, desta vez de 48 horas.

– Fora Temer e os políticos corruptos do Congresso Nacional, já.

– Retirada dos projetos de reformas trabalhista e da Previdência.

– Revogação da lei de terceirização, da reforma de ensino médio e da Emenda Constitucional 95. 

– Prisão aos corruptos e corruptores e confisco dos bens.

– Greve Geral de 48 horas!

 

CSP-Conlutas 

1

Anúncios