Com regra proposta pelo Sindicato, PLR da Embraer chegaria a R$ 9.700

Após pressão realizada pelo Sindicato, a Embraer anunciou que não irá descontar o valor da multa por corrupção no cálculo da segunda parcela da PLR (Participação nos Lucros e Resultados) 2016.

Apesar da medida, que vai aumentar o valor do benefício, é necessário exigir que a empresa também desconsidere os gastos com o PDV (Plano de Demissão Voluntária), estimados em R$ 380 milhões.

Neste cenário, a segunda parcela da PLR chegaria a R$ 4.700 de valor fixo, mais 57% sobre o salário, segundo estimativa realizada pelo Dieese, a pedido do Sindicato.

Faturamento recorde

Mesmo com faturamento recorde, a Embraer mentiu ao afirmar que a fábrica estava em crise.

Com isso, ela queria empurrar para os trabalhadores o prejuízo do escândalo de corrupção protagonizado pela companhia.

“Não vamos pagar pela corrupção e pelo PDV. Os trabalhadores não aceitam pagar mais pelos erros da empresa”, afirma o vice-presidente do Sindicato, Herbert Claros da Silva.

PLR igual para todos

O Sindicato defende que a PLR da Embraer seja calculada a partir do lucro operacional e dividida em partes iguais para todos os funcionários. Se fosse calculada dessa forma, a PLR de 2016 renderia R$ 9.700 a cada funcionário.

“Como conselheiro levei esse tema à discussão e exigi mudanças imediatas no acordo da PLR. O envolvimento dos trabalhadores na luta será fundamental para garantirmos uma PLR maior”, acrescenta Herbert.

IMG_0057

Anúncios